No dia 12 de maio fizemos uma homenagem à família TV OVO de Santa Maria, pelos seus 16 anos de vida. Agora de casa nova e com o processo de restauração iniciado através de crowdfunding (a “vaquinha eletrônica“, como é também conhecida no Brasil), usamos a fachada do Sobrado Centro Cultural (datado de 1916) para projetar momentos históricos, as dinâmicas de trabalho das oficinas e algumas das tantas pessoas que já passaram pela tv.

O programa Blitz da TVcampus da UFSM, apresentado pela Manu Motta esteve presente no momento e produziu uma reportagem bem completa sobre a atividade. É muito legal termos este espaço para dar vazão ao que está sendo produzido na cidade. Parabéns rapaziada ! (Dá pra dar “um pulo” para a parte onde falamos especificamente sobre o videomapping neste link aqui.)

A produção foi grande e, como sempre, muitos se envolveram no processo, desde conseguir projetores, providenciar trancamento da rua, “mumificar” as janelas, montar estruturas de projeção, puxar cabeamento de áudio e vídeo, montar mesa de corte, conseguir andaimes até soldar cabos de som de última hora. Esse é o espírito da tv, que forma profissionais completos, pró-ativos, com um espírito de trabalho em equipe que é difícil de encontrar hoje em dia. Sempre foi um aprendizado de convívio e foi uma honra poder produzir este trabalho.

Eu e o Maurício Canterle (aka Lumaluma Motion) convivemos durante três dias com um material de arquivo para montar o vídeo e afinar a programação, para exibirmos na noite do dia 12. Abaixo vão algumas fotos (de Pedro Krum, Júlia Schnorr, Lucas Baisch e Android) do processo e acima o vídeo gravado e editado pelo Rafa Rigon.

Aproveitando para agradecer o comparecimento dos amigos e da família – é sempre bom estar por perto pra dividir esses milagres!

Pra quem não é de Santa Maria, ou não sabe onde fica o Sobrado, aí vai um passeio virtual pela Floriano Peixoto…

Os detalhes técnicos são: um projetor “mais de mesa“, SonicView PJ658 de 2500 ANSI lumens e 1024×7868 de resolução; rodando os vídeos no Puredata com uma instância separada para os áudios e vários postes de rua jogando luz “parasita” na projeção. Tentamos apagar eles com laser-pointers nas foto-células e deu certo, mas a bateria acabou (a vida é dura).